‘As Canções da Minha Vida’ – Leo Jaime diz que queria ser Erasmo Carlos

46
A série musical inédita e exclusiva do Curta! “As Canções da Minha Vida” chega ao fim na Segunda da Música, 24, às 23h30, trazendo o cantor e compositor Leo Jaime. Ele comenta a importância da música em sua vida desde a infância em Goiânia, quando ouvia Jovem Guarda e era fã da canção “Sentado à beira do caminho” do cantor e compositor Erasmo Carlos.
– Hoje eu acho que era meio esquisito um menino de nove anos cantando uma música que era meio existencialista. Mas eu cantava com muito sentimento. O problema é que quando eu puxava o violão para tocá-la, eu acabava com as reuniões de família. Nunca dava certo. Eu começava a tocar e todo mundo ia embora. E, no entanto, eu insistia naquilo. Eu tocava na escola e também não dava certo. Talvez por isso eu tenha ficado com uma questão interna de, quem sabe um dia, cantar em uma banda, de superar a minha timidez, e, quem sabe, conseguir fazer com que as pessoas não desparecessem na hora que eu começasse a cantar. E essa música marcou muito a minha infância. Eu amo essa música. E eu queria ser o Erasmo Carlos quando eu crescesse – contou o músico em declaração ao diretor de “As Canções da Minha Vida”, Bruno Levinson.
No episódio, além da canção de Roberto e Erasmo Carlos, Leo Jaime interpreta ainda “Rock das Cachorras”, de Eduardo Dusek, “Cartão Postal”, composição de Rita Lee e Paulo Coelho, e “Almost Blue” de Elvis Costello. Realizado com a profissão que escolheu e com o carinho que o público lhe dedica, hoje em dia agradece quando alguém lhe pede um autógrafo. “Eu agradeço quando uma pessoa pede para tirar uma foto comigo ou então me pede para dar um autógrafo. Eu agradeço a ela por fazer isso por mim”, avalia.
Com 13 episódios, a série “As Canções da Minha Vida” traçou um panorama sobre as canções que marcaram e influenciaram o repertório de importantes nomes da música brasileira. Produzida pela Raccord Produções, com direção e roteiro de Bruno Levinson, a série é financiada pelo Fundo Setorial do Audiovisual.
Na Quinta do Pensamento, 27, às 22h30, estreia com exclusividade no canal Curta! a segunda temporada da série “Incertezas Críticas”. Com direção de Daniel Augusto, a produção da Grifa Filmes apresenta, a cada episódio, uma reflexão sobre questões relevantes do mundo contemporâneo na visão de alguns dos mais importantes intelectuais da atualidade. Os pensadores Jacques Rancière, Christian Boltanski, Axel Honneth, Andreas Huyssen, Antoine Compagnon, Elisabeth Roudinesco, Georges Didi-Huberman, Hal Foster, Jean-Luc Nancy, Jonathan Crary, Luc Ferry, Tzvetan Todorov e Umberto Galimberti vão refletir sobre arte, política, literatura, economia, relações internacionais, sociedade e história. No primeiro episódio, Umberto Galimberti, professor universitário de filosofia em Veneza e autor de diversos livros, fala sobre um dos temas mais importantes de sua obra: a técnica e sua relação com a democracia.
“Estados da Arte”, série exclusiva do Curta!, traz na Terça das Artes, 25, às 23h30, o feminismo na produção artística contemporânea. Para além das questões de gênero, o programa aborda o desejo de libertação e a conflituosa relação entre arte e moral. O diretor Eduardo Goldenstein apresenta o trabalho da artista Mariana Guimarães, que se utiliza da tradição do bordado para romper padrões estabelecidos, e de Carol Valansi, que faz uma releitura da pornografia. Já Fabiana Faleiros e o coletivo ‘Mulheres de Buço’ afirmam a liberdade feminina através da música e da performance. O episódio traz, ainda, as produções artísticas de Marie Carangi, que promove a “marcha das cem tetas”, e de Laura Lima, que revela a potência da arte através da ornamentação, da beleza e do corpo. Produzida pela Aion Cinematográfica, “Estados da Arte” investiga, ao longo de 12 episódios, a motivação, os pensamentos e as obras de artistas contemporâneos dos mais variados estilos. A série é financiada pelo Fundo Setorial do Audiovisual (PRODAV 02/2013).
Amores urbanos é o tema da faixa “A Vida é Curta” na Quarta de Cinema, dia 26. Para começar, “3 Minutos”, da diretora Ana Luiza Azevedo, mostra as reviravoltas que a vida pode dar em pouco tempo, em apenas três minutos precisamente. Com roteiro de Jorge Furtado, o filme foi aclamado pela crítica nacional e internacional. Em seguida, é a vez de “O Táxi de Escher”, de Aleksei Abibi e Flavio Botelho. O curta mostra uma viagem de 15 minutos que começa quando Carlos pega um táxi no antigo Centro de São Paulo com destino a Buenos Aires. Ele atravessa o espaço-tempo de Escher e acaba encontrando uma cidade mais profunda dentro de si mesmo. O filme foi vencedor do “Prêmio Aquisição Canal Curta! e Porta Curtas no Festival Internacional de Curtas-metragens de São Paulo de 2014”. Encerrando a faixa, “A Era de Ouro”, dirigido por  Leonardo Mouramateus e Miguel Antunes Ramos, discute as relações entre homens e cidades, tecnologia e identidade.
Ainda na Quarta de Cinema, a série “Luz & Sombra – Fotógrafos do Cinema Brasileiro” apresenta a trajetória do diretor de fotografia Lito Mendes. O cineasta participou de importantes produções nacionais, a exemplo de “Marvada Carne” (1985), de André Klotzel; “Cidade Oculta” (1986), de Chico Botelho; “Anjos da Noite” (1987), de Wilson de Barros; “Doida Demais” (1989), de Sérgio Rezende, e, hoje, assina a fotografia de longas como “Serra Pelada”, de Heitor Dhalia.
Na Sexta da Sociedade, 28, às 23h30, a gastronomia judaica é o tema do episódio inédito da série exclusiva do canal Curta! “Mish Mash – A Presença Judaica no Brasil”. Em cena, a culinária como elemento de preservação de tradições e integração entre os povos. No programa, o pesquisador e escritor Breno Lerner resgata a história por trás da cozinha judaica. “É muito difícil falar de culinária judaica sem história. Nenhuma cultura misturou religião e comida da forma como eles fizeram”, conta. Já a cozinheira e artista plástica Sheila Mann, que nasceu no Líbano, e é judia e árabe, busca a coexistência pacífica entre esses dois povos. “Mish Mash – A presença judaica no Brasil” apresenta, a cada semana, dois personagens de origem judaica, suas histórias e contribuições profissionais para o país.
SEGUNDA DA MÚSICA
As Canções da Minha Vida (Série)
Gravada no ateliê do artista plástico Sérgio Marimba, “As Canções da Minha Vida” é uma série musical composta de 13 episódios que faz um grande painel da música brasileira. Vamos conhecer quais as músicas mais marcantes e que influenciaram artistas importantes, como: Maria Gadú, Geraldo Azevedo, Ana Cañas, Hamilton de Holanda, Leo Jaime e Odair José. Artistas brasileiros, com seus instrumentos, irão destrinchar sua trajetória artística através das músicas que os influenciaram, que serviram de inspiração e que o ajudaram a compor seu trabalho autoral. Uma grande homenagem à música brasileira feita por seus compositores e intérpretes.
Episódio inédito – Leo Jaime
No episódio, o cantor e compositor Leo Jaime lembra a infância, quando andava de lambreta em Goiânia, com um tio, e, com ele, ouvia as canções da Jovem Guarda e o que chegava de rock estrangeiro no Brasil. Leo Jaime relembra, ainda que sua vida mudou depois que viu o filme “Help”, dos Beatles. No episódio, o músico interpreta o sucesso de seu repertório, “Rock das Cachorras”, composição de Eduardo Dussek, “Sentado à Beira do Caminho”, de Roberto e Erasmo Carlos, além de “Cartão Postal”, de Rita Lee e Paulo Coelho, e “Almost Blue” de Elvis Costello.
Diretor: Bruno Levinson
Duração: 26 min.
Estreia: 24 de abril, segunda-feira, às 23h30.
Classificação: Livre
Horários alternativos:
Dia 25 de abril, terça-feira, às 3h30 e às 17h30;
Dia 26 de abril, quarta-feira, às 11h30;
Dia 29 de abril, sábado, 21h30.
TERÇA DAS ARTES
Estados da Arte – Feminismo (Série)
Para além das questões de gênero, o desejo de libertação. A conflituosa relação entre arte e moral. Mariana Guimarães se utiliza da tradição do bordado para romper padrões estabelecidos. Carol Valansi faz uma releitura da pornografia. Fabiana Faleiros e Mulheres de Buço afirmam a liberdade feminina através da música e da performance. Marie Carangi promove a marcha das cem tetas, e Laura Lima revela a potência da arte através da ornamentação, da beleza e do corpo.
Diretor: Eduardo Goldenstein
Duração: 26 min
Exibição: 25 de abril, terça-feira, às 23h30.
Classificação: Livre.
Horários alternativos:
Dia 26 de abril, quarta-feira, às 3h30 e às 17h30;
Dia 27 de abril, quinta-feira, às 11h30;
Dia 29 de abril, sábado, às 21h.
QUARTA DE CINEMA
Amores urbanos é o tema do “A Vida é Curta!”, com estreia do filme “Uma Vida Inteira”
A faixa “A Vida é Curta” exibe três curtas que proporcionam diferentes amores urbanos aos telespectadores. São eles, a estreia exclusiva do canal, “3 Minutos”, seguido de “O Táxi de Escher” e “A Era de Ouro”. “3 Minutos” mostra como uma decisão pode mudar uma vida. Às vezes, em apenas três minutos. Já o curta “O Táxi de Escher”, de Aleksei Abib e Flavio Botelho, apresenta o personagem Carlos ao pegar um táxi para Buenos Aires e, como se cruzasse o espaço-tempo de Escher, ele acessa uma cidade mais profunda dentro de si mesmo. Depois é a vez de “A Era do ouro”, de Leonardo Mouramateus, que discute a relação entre homens e cidades, tecnologia e identidade.
Exibição: 26 de abril, quarta-feira, às 20h.
Classificação: Livre
Horários alternativos:
Dia 27 de abril, quinta-feira, às 00h e às 14h;
Dia 28 de abril, sexta-feira, às 8h;
Dia 29 de abril, sábado, às 14h.
Luz e Sombra – Os Conflitos de Lito Mendes da Rocha (Série)
No episódio, a trajetória de Lito Mendes, profissional que começou a carreira como assistente de câmera e de fotografia. Ele trabalhou na equipe de mais de 10 longas, com grandes nomes da fotografia, como “Marvada Carne” (1985), de André Klotzel; “Cidade Oculta” (1986), de Chico Botelho; “Anjos da Noite” (1987), de Wilson de Barros; “Doida Demais” (1989), de Sérgio Rezende, até começar como diretor de fotografia.
Diretores: Betse de Paula e Jacques Cheuiche
Duração: 52 min
Exibição: 26 de abril, quarta-feira, às 23h30.
Classificação: Livre.
Horários alternativos:
Dia 27 de abril, quinta-feira, às 3h30 e às 17h30;
Dia 28 de abril, sexta-feira, às 11h30;
Dia 29 de abril, sábado, às 22h.
QUINTA DO PENSAMENTO
Incertezas Críticas (Série) – Segunda temporada
Com direção de Daniel Augusto, a produção da Grifa Filmes apresenta, a cada episódio, uma reflexão sobre questões relevantes do mundo contemporâneo na visão de alguns dos mais importantes intelectuais da atualidade. Jacques Rancière, Christian Boltanski, Axel Honneth, Andreas Huyssen, Antoine Compagnon, Elisabeth Roudinesco, Georges Didi-Huberman, Hal Foster, Jean-Luc Nancy, Jonathan Crary, Luc Ferry, Tzvetan Todorov e Umberto Galimberti vão refletir sobre arte, política, literatura, economia, relações internacionais, sociedade e história.
Episódio inédito – Umberto Galimberti
No primeiro episódio, Umberto Galimberti, professor universitário de filosofia em Veneza e autor de diversos livros, fala sobre um dos temas mais importantes de sua obra: a técnica e sua relação com a democracia.
Diretor: Daniel Augusto.
Duração: 26 min.
Estreia: 27 de abril, quinta-feira, às 23h30.
Classificação: Livre.
Horários alternativos:
Dia 28 de abril, sexta-feira, às 3h30 e às 17h30;
Dia 01 de maio, sábado, às 11h30
SEXTA DA SOCIEDADE
Mish Mash – A Presença Judaica no Brasil (Série)
A série se debruça sobre o legado e a contribuição de personalidades judias ligadas a diferentes áreas de atuação no Brasil contemporâneo. São histórias familiares, trajetórias profissionais e olhares sobre a identidade judaica articulados no acompanhamento dos cotidianos dos personagens centrais, sempre dois por episódio. Por entre depoimentos, imagens de arquivos públicos e pessoais e a utilização de recursos gráficos, pode-se vislumbrar o lugar do forte traço judaico no intrincado desenho cultural brasileiro.
Episódio inédito – Gastronomia
A comida como elemento de preservação de tradições, fator de integração e ponte entre os povos. Neste episódio, o pesquisador e escritor Breno Lerner resgata a história por trás da cozinha judaica. “É muito difícil falar de culinária judaica sem história. Nenhuma cultura misturou religião e comida da forma como eles fizeram”, conta. Nascida no Líbano, a cozinheira e artista plástica Sheila Mann diz que se sente os dois lados da mesma moeda: é judia e árabe. Por meio da culinária, ela busca a coexistência pacífica entre esses dois povos.
Diretores: Liana Schnaider, Pedro Barbieri Gorski e Tatiana Toffoli Soares.
Duração: 26 min.
Estreia: 28 de abril, sexta-feira, às 23h30.
Classificação: Livre.
Horários alternativos:
Dia 29 de abril, sábado, às 3h30 e às 18h30;
Dia 01 de maio, segunda-feira, às 17h30;
Dia 02 de maio, terça-feira, 11h30.
loading...

você pode gostar também Mais do autor

Comentários