Deuses Invisíveis – ou O Deus Dançante em cartaz no Rio

0
38

Quatorze personagens, dez esquetes, dois atores e uma infinidade de emoções. É o que “Deuses Invisíveis – ou O Deus Dançante”, da Cia Teatro Imediato, mostra ao público em apenas 80 minutos. O espetáculo, que estará em cartaz as quintas e sextas no Teatro Cesgranrio, de 06 a 28 de julho, é um manifesto sobre as relações humanas protagonizado por Ludmila Brandão e Thor Vaz, atores e autores da obra. Entre diversas histórias dançam no tablado gêneros e temas que expõem fragmentos de vida, arquétipos de homens e mulheres que de alguma forma estão interligados e se afetam. Inquietante.

A cia, de origem baiana, também é composta por um terceiro integrante, Leopoldo Vaz Eustáquio, músico e compositor, que assina a trilha. O grupo atua desde 2010 e ao longo de sua existência desenvolveu trabalhos tanto em Salvador quanto em São Paulo. Agora faz sua estreia no Rio. O fio condutor da trama é orquestrado por uma mulher diagnosticada com esquizofrenia que, internada em uma clínica psiquiátrica, inventa uma fábula para traduzir a forma como vê a sociedade. Uma história com diversas camadas de entendimento, onde todas as personagens estão intimamente ligadas entre si.

Apenas com a iluminação, trilha sonora e cenário minimalistas, os dois atores revezam-se entre os papéis, compondo vários seres em situações que trazem reflexões fundamentais à contemporaneidade. Questões como a invisibilidade das minorias, a falta de consciência a respeito de quem somos e como nos relacionamos, a dificuldade de encontrar-se em si e no outro, a nossa função no todo universal, a escassez no afeto mesmo entre familiares, o sentido vazio de moralidade e dever na propagação dos padrões afetivos, as relações extraconjugais, as relações amorosas abusivas, a questão de gênero, a noção de valores entre a fama versus o anonimato e o abismo que separa dois seres que moram no mesmo edifício constroem, de forma intrigante, cenas cotidianas que podem ser vividas por qualquer indivíduo. Contudo, o espectador não recebe uma lição pronta sobre os assuntos abordados, mas é conduzido a refletir com autonomia sobre possíveis soluções e suas atitudes habituais. 

A produção é totalmente independente, tendo a Escola Carioca de Dança, onde acontecem os ensaios, como a única apoiadora da peça. A Cia Teatro Imediato nunca contou com patrocínio público ou privado. Todos os seus espetáculos nascem e vivem independentes de terceiros, encenados sempre com foco no trabalho dos atores e com empenho para que o espectador receba plenamente o necessário. Além da instrumentação orquestrada, a composição da trilha mistura um minucioso trabalho de paisagem sonora, construção de atmosferas energéticas, silêncios e efeitos de indução sensorial, se apresentando como um dos pontos altos do espetáculo. A ausência de grandes estruturas também compõe a busca do essencial tendo o propósito de convocar a presença do público para uma troca energética mais pura e profunda.

SOBRE A CIA TEATRO DO IMEDIATO

Ludmila Brandão, Thor Vaz e Leopoldo Vaz Eustáquio formam a Cia Teatro Imediato há sete anos. Em sua jornada, seis espetáculos montados, exibidos em diversas temporadas em Salvador e São Paulo, preenchem o blog da companhia que já ultrapassou dez mil visualizações. São eles: O NÓRDICO (2010-2011) – Salvador e São Paulo; O HOMEM-SOL (2013-2014) – Salvador e São Paulo; REINO (2015) – Salvador; AS INQUISIÇÕES DO MISSIONÁRIO SIMÃO BACAMARTE (2010) – Salvador; REPETITIUS MEDIOCRIS (2013) – Salvador; LILAC WINE (2012) – Salvador. O processo de montagem segue sempre a mesma metodologia, inicia-se pela construção da dramaturgia e a consequente busca por um espaço ideal à montagem. Logo em seguida começam os ensaios e outros artistas são convidados a participar da obra, como parceiros do grupo na investigação do essencial para a realização de uma ação artística potente. Todo o resto é supérfluo neste método, adotado pela companhia, e cunhado por Grotowski como “Teatro Pobre”.

Sinopse

Georgete, paciente de uma clínica psiquiátrica, recebe a visita do seu médico e companheiro filosófico. Para ele, ela desnuda teoricamente a loucura que a perturba dia e noite, através de uma fábula social que une todos os seres em um mesmo emaranhado poético. Uma antologia de encontros. Retratos vivos de momentos que moldaram destinos pessoais e coletivos; e a desconfiança de que nossa individualidade é uma utopia e só através dos encontros passamos a existir.

Thor Vaz - Foto: Laura Cardoso
Thor Vaz – Foto: Laura Cardoso
Ludmila Brandão - Foto: Laura Cardoso
Ludmila Brandão – Foto: Laura Cardoso

SERVIÇO:

 

Data: 06 a 28 de Julho – Quintas e Sextas.

Horário: 19h30

Local: Teatro Cesgranrio

Endereço: Rua Santa Alexandrina, 1011 – Rio Comprido – Rio de Janeiro – RJ.

Ingressos: R$ 30,00 inteira / R$ 15,00 meia

Venda: www.ingressorapido.com.br e bilheteria do Teatro

Duração: 1h20

Classificação: 14 anos

 

 

FICHA TÉCNICA

Dramaturgia e atuação: Ludmila Brandão e Thor Vaz

Encenação: Thor Vaz

Trilha sonora original: Leopoldo Vaz Eustáquio

Produtor: Javier Rubin

Assessora de imprensa: Franciny Espíndola

Fotógrafa e filmaker: Laura Fragoso