Malhação | Galpão como ponto de encontro entre tribos

110

Em Malhação, um amplo galpão que parece ter parado na década de 1980. Os fundos da lanchonete de Roney Romano (Lúcio Mauro Filho) guardam as lembranças dos áureos tempos em que ele brilhou como cantor romântico. Keyla (Gabriela Medvedovski), Lica (Manoela Aliperti), Ellen (Heslaine Vieira), Benê (Daphne Bozaski) e Tina (Ana Hikari) buscam um lugar para fazer a Balada do Bebê e estão prestes a voltar no tempo ao entrar nesse espaço, cheio de história e registros do passado, como vinis, jornais, pôsters e antigos instrumentos musicais. “A gente não vinha aqui há anos. Acho que o Roney preferiu esquecer…” , justifica Keyla, enquanto as meninas olham, fascinadas, cada cantinho.

Um videokê surge em meio às descobertas e elas não resistem. Vestem alguns figurinos antigos perdidos por ali e cantam “Amor Selvagem”, o maior hit de Roney Romano. É quando ele aparece e as acompanha na canção. As five batem o martelo: vão realizar a festa no galpão. Mas não será tão fácil assim. Depois que criam o evento na rede social, um boato denegrindo a imagem da lanchonete ganha a web. As autoras dos rumores são K1 (Talita Younan) e K2 (Caroline Macedo), que não perdem qualquer chance de sabotar os planos que envolvam Keyla. Elas inventam que a lanchonete está empesteada de ratos e baratas e logo a vigilância sanitária bate à porta.

A denúncia é falsa, mas a lanchonete apresenta problemas na parte elétrica, o que é suficiente para que seja interditada. Lica surge com a solução: ela pega o cartão de crédito que ganhou do pai e saca dinheiro para a reforma. “Pensa que é um presente meu e do meu pai, para o Tonico. Vai por mim, Roney, seu Edgar tem dinheiro sobrando”, explica enquanto entrega a grana para Roney, que só aceita na condição de empréstimo. A obra começa e as five, com os amigos, fazem um mutirão que vai promover uma grande transformação na lanchonete e no galpão, que se tornarão um dos maiores points do bairro.

O produtor de arte Luiz Pereira explica as mudanças pelas quais os espaços passam: “No início, a lanchonete e o galpão são uma grande mistura, decadentes. A galera não têm muito interesse em frequentar. O Roney é um acumulador, foi guardando as coisas de forma desleixada e têm vários elementos que mostram isso, como discos e fotos de cantores que gostava e rádios e TVs antigos. A ideia é que aquele lugar não tivesse organização, fosse confuso e muito rico de informação. Quando as meninas encontram aquele universo, dão um toque mais feminino, alegre e organizado. Enchemos de lâmpadas, brilhos e lambe-lambes na parede, que é muito a cara de São Paulo e traz um colorido que queremos para o programa. Além disso, eles aproveitam tudo que encontram. Por exemplo, uma mesa de pingue-pongue vira mesa de jantar, uma mesinha de centro é feita de caixote de supermercado e por aí vai. A ideia é de reaproveitamento de material. Será o local onde todos querem estar e de lá sairão vários talentos”.

Malhação - Galpão antes da reforma - Foto: Globo/João Miguel Júnior - Visto Livre
Lanchonete depois da reforma – Malhação – Foto: Foto: Globo/João Miguel Júnior

As cenas vão ao ar a partir desta sexta-feira, dia 12. ‘Malhação: Viva a Diferença’ é concebida por Cao Hamburger e dirigida por Paulo Silvestrini e vai ao ar logo após o ‘Vale a Pena Ver de Novo’.

loading...

você pode gostar também Mais do autor

Comentários