Depois de mais de vinte anos cantando ao lado do irmão Junior e de um jejum criativo de quatro anos, Sandy Leah Lima lançou em 2010 o seu primeiro disco solo, Manuscrito. Em entrevista exclusiva concedida ao Visto Livre Magazine, a cantora responde sobre sua carreira e sua relação com a mídia e a teledramaturgia, além de adiantar seus passos para 2011. A prioridade é retomar a turnê nacional, iniciada no final de 2010. (Por Gustavo Godinho).

 

 
Visto Livre: Quais os planos para 2011?

Sandy: Tenho muitos planos. Mas a ideia é priorizar a turnê do meu primeiro projeto solo, Manuscrito. Fiz apenas um ‘teaser’, no final do ano passado, quando me apresentei em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Curitiba. Então, a ideia é voltar a estas praças e levar este show para as principais cidades do Brasil.

Visto Livre: Determinadas publicações preferem focar mais em sua vida pessoal e em sua beleza do que no seu trabalho musical. Isso, de alguma forma, te incomoda?

Sandy: Por ser uma pessoa conhecida do grande público, tenho consciência de que é natural as pessoas terem curiosidade a respeito de minha vida pessoal. Algumas matérias sobre este assunto até nem me incomodam mais, desde que não sejam invasivas ou mentirosas. Mas é claro que prefiro dar entrevistas pautadas em minha vida profissional.

Visto Livre: Você compôs 13 canções do teu disco solo e tem trabalhado um pouco à margem dos grandes eventos nesta sua retomada de carreira. Como se sente, considerando que seus shows são muito mais intimistas do que na época em que se apresentava com o seu irmão?

Sandy: Estou muito feliz e totalmente realizada com o resultado do projeto como um todo. O CD ficou mais intimista, por vezes, até melancólico. Este é o retrato fiel daquilo que busco artisticamente em minha carreira. Então, era natural que os shows seguissem nessa mesma linha.

Visto Livre: Na época em que protagonizava um seriado de TV, você se revelou uma grande atriz. Pretende, em algum momento da carreira, voltar a atuar na TV ou a encenar musicais consagrados da Broadway?

Sandy: Eu gosto de atuar, confesso. Mas no momento quero focar no lado musical. Claro que sempre estou aberta a convites e, quem sabe mais pra frente, aceitar algum.

Visto Livre: Em seu próximo disco você pretende continuar com esse repertório mais cult e intimista ou pretende fazer um trabalho voltado para o pop, realizando shows em grandes arenas, contando com o suporte de superprodução?

Sandy: Calma! Ainda é cedo pra pensar em um próximo disco. Vou trabalhar um pouco mais na divulgação de Manuscrito. E, como comentei anteriormente, quero deixar o lado criativo me levar e aguardar pelo resultado. O que posso dizer é que estou muito realizada com esta nova fase e, por enquanto, não penso em fugir muito desse estilo, afinal, ele reflete muito a minha personalidade.

Visto Livre: Qual sua opinião sobre a nova leva de cantoras que tem surgido no mercado, casos de Roberta Sá, Tulipa Ruiz e Maria Gadú?

Sandy: Acho ótimo! O mercado fonográfico precisa e tem espaço para novidades. Fico muito feliz com esta renovação, principalmente porque tem muita gente talentosa por aí!

Visto Livre: Aliás, Maria Gadú está em turnê com Caetano Veloso. Você tem planos para em algum momento de sua carreira, fazer uma turnê com um grande nome da MPB? Se não tem esse plano, tem vontade?

Sandy: Muito bacana o projeto entre os dois! Eu já fiz algumas parcerias – muito especiais e inesquecíveis pra mim – com alguns grandes nomes da MPB dos quais sou fã, como Caetano, Gil e Roberto Carlos, entre outros. Mas sempre foram projetos únicos, pontuais. Não tinha parado para pensar nesta possibilidade de uma turnê. Mas, nunca se sabe, né?!

Comentários