Criada em 1994, a Série O Globo / Dell’Arte Concertos Internacionais transformou-se em um dos mais respeitados eventos clássicos do Rio de Janeiro e um dos mais importantes do país. Em sua programação, o público da cidade assistiu a apresentações de importantes orquestras e solistas da música clássica contemporânea.

Em 2011, ao celebrar sua 18ª edição, a Série privilegiou um panorama das mais importantes orquestras em atividade na atualidade: entre os dias 05 de maio e 24 de outubro, oito delas, vindas de sete diferentes países do mundo (Hungria, Alemanha, Venezuela, Holanda, Inglaterra, França e Rússia), estarão se apresentando no palco do reformado Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

 
Com apenas 30 anos, o venezuelano Gustavo Dudamel é um dos maiores destaques da série este ano. Celebrado e incensado pela imprensa especializada de todo o mundo, ele é quase uma estrela pop – já freqüentou os mais famosos programas televisivos americanos, foi eleito pela revista Time em 2009 uma das 100 pessoas mais influentes do mundo, tem um talento raro que encanta até os seus mais renomados pares (Simon Rattle diz que “ele é música em estado puro”) e mistura competência com boa vontade social, sem fazer muito alarde do fato. No dia 22 de junho os cariocas conhecerão o lado regente e apaixonado de Dudamel (ele é também violinista), à frente da Orquestra Sinfônica Simon Bolivar, da Venezuela.
 
Além de Dudamel, os cariocas poderão assitir a dois novos fenômenos da música clássica – os ingleses da Britten Sinfonia, que se apresentam no dia 05 de agosto, e os franceses da Ensemble Orchestral de Paris, que se apresentam com o Coro Accentus, outro fenômeno recente do gênero. E rever alguns dos mais tradicionais conjuntos clássicos do mundo, como a célebre Sinfônica de São Petesburgo, a Orquestra do Festival de Budapeste, a Orquestra de Câmara de Munique, a Filarmônica de Rotterdam e a Filarmônica de Câmara de Bremen.
 
Os ingressos para as oito apresentações já estão disponíveis: a Dell’Arte desenvolveu de forma pioneira no Brasil um serviço de venda antecipada por assinatura, incluindo o pagamento com cartão de crédito e a entrega em domicílio dos ingressos da temporada, além da comodidade de poltronas cativas para os assinantes, em todas as apresentações da Série de Concertos.
 
Programação
 
05 de maio – Orquestra do Festival de Budapeste
Iván Fischer, regente / Dejan Lazić, piano
 
 

 

A Orquestra do Festival de Budapeste é uma das principais orquestras húngaras e tem a sua frente um dos mais respeitados nomes da regência na atualidade, o maestro Iván Fischer, presença constante no pódio de praticamente todas as grandes orquestras do mundo. Fundada em 1983 por Iván Fischer e Zoltán Kocsis, a Orquestra do Festival de Budapeste é atualmente não só parte importante da vida musical da cidade, mas também do grupo de orquestras com prestígio internacional, apresentando-se nos mais destacados centros musicais e festivais ao redor do mundo. Desde sua fundação, ela é dirigida por Iván Fischer. A crítica internacional elegeu a companhia, em dezembro de 2009, como uma das dez melhores orquestras sinfônicas do mundo.

 
Programa: Bartok, Weber e Tchaikovsky
 
07 de junho – Orquestra de Câmara de Munique
Christiane Oelze, soprano
 
 

 

Um dos mais prestigiados conjuntos de câmara da Europa, a Orquestra de Câmara de Munique é a grande representante de um dos principais centros musicais da Alemanha. O programa a ser apresentado é dos mais ecléticos, indo de Bach e Pergolesi a Schönberg e Shostakovich. A orquestra trará como convidada o soprano Christiane Oelze, solista em constante atividade por toda a Europa.

 
Programa : Bach, Schönberg, Pergolesi e Shostakovich
 
22 de junho – Orquestra Sinfônica Simón Bolívar da Venezuela com Gustavo Dudamel
Gustavo Dudamel, regente
 
 

O conjunto sinfônico venezuelano transformou-se no maior fenômeno da música clássica nos últimos tempos. Será regido pelo maestro Gustavo Dudamel, expoente da nova geração artística. O sucesso da Orquestra Sinfônica Simón Bolívar se deve à política educacional venezuelana, que dá grande incentivo à atividade musical. José Antonio Abreu é o criador e fundador do Sistema Nacional de Orquestras Juvenis e Infantis da Venezuela. Abreu foi peça fundamental e determinante para o desenvolvimento histórico e musical de seu país nos últimos 50 anos. Este músico de grande fé, fortes convicções e calor humano, soube empreender uma tarefa árdua, que vai além do horizonte musical: resgatar a juventude venezuelana através da música, pois seu projeto tem como princípio de que “a música é um instrumento insubstituível para unir as pessoas”. Hoje, o maior destaque da orquestra é seu jovem diretor musical, o maestro Gustavo Dudamel, a maior revelação da regência mundial desde o surgimento de Simon Rattle, reverenciado por público e pela crítica de todo o mundo. Dudamel, que desde 2009 acumula o cargo de Diretor Musical da Filarmonica de Los Angeles, estará à frente de sua orquestra neste que tem tudo para ser o mais esperado evento musical do ano.

 
Programa: a definir
 
 
27 de junho – Orquestra Filarmônica de Rotterdam
Leonard Slatkin, regente
 
 

A tradicional Orquestra Filarmônica de Rotterdam, criada em 1918, é conhecida por sua precisão na execução de um repertório que abrange todos os períodos da história musical, assim como pela inigualável tradição que construiu nos palcos operísticos. A projeção internacional da Orquestra Filarmônica de Rotterdam veio ao longo da década de 1970; o reconhecimento mundial, pelas mãos do maestro Valery Gerguiev, que esteve à frente da Filarmônica a partir de 1995. A Orquestra Filarmônica de Rotterdam recebe como convidados os regentes mais requisitados do mundo e, além das apresentações sinfônicas, se dedica à ópera. É, ao lado do Concertgebouw, outra das mais conceituadas orquestras da Holanda, um país onde a música clássica ocupa um lugar de destaque.

 
Programa: Haydn, Barber e Tchaikovsky
 
 
05 de agosto – Britten Sinfonia
Pekka Kuusisto, regente / Allan Clayton, tenor
 
 

 

A Inglaterra irá nos mostrar um novo conjunto de câmara, a Britten Sinfonia, fundada em 1992, sob o incentivo do maestro Nicholas Cleobury. Uma das mais festejadas e inovadoras orquestras de câmara da Europa, a Britten Sinfonia é louvada pela qualidade de suas apresentações e pelo enfoque inteligente da sua programação de concertos, centrada no desenvolvimento de seus músicos. O conjunto raramente se apresenta sem um regente ou diretor, mas tem a preocupação de se apresentar com uma variedade dos melhores artistas convidados do cenário internacional. O grupo privilegia, naturalmente, o repertório inglês. Em sua turnê brasileira, apresentará um concerto que vai de Purcell, passando por Tippett e seu patrono Britten, e pelos contemporâneos Steve Reich e John Adams.

 
Programa: Purcell, Tippett, Britten, Steve Reich e John Adams
 
22 de agosto – Filarmônica de Câmara de Bremen
Christian Tetzlaff, regência e violino

 

 

 

Outro conjunto entre as principais orquestras do mundo, a Filarmônica de Câmara de Bremen é dirigida desde 2004 pelo regente estoniano Paavo Järvi. Fundada em 1980, a Filarmônica de Câmara de Bremen está baseada na Cidade Hanseática Livre de Bremen, onde tornou-se parte indispensável da vida musical da cidade. A companhia apresenta em todas as temporadas três séries de assinatura, concertos especiais, três séries de música de câmara, além de um festival ao ar livre, o “Sommer in Lesmona”. O conjunto também é componente essencial do Festival de Música de Bremen desde 1998. Os antigos diretores-artísticos e regentes convidados são nomes como Mario Venzago, Heinrich Schiff, Jiří Belohlávek, e Thomas Hengelbrock. Entre 1999 e 2003, o posto foi assumido por Daniel Harding. Além de seus concertos, o conjunto desenvolve importantes projetos educacionais, que incluem introduçőes aos concertos e workshops, paralelamente a inovadoras colaborações com escolas e instituições de educação para adultos. Em abril de 2007, a Filarmônica de Câmara de Bremen transferiu-se para suas novas salas de ensaio na Gesamtschule Bremen-Ost (Escola Inclusiva do Leste de Bremen). Lá, músicos e estudantes trabalham lado a lado — uma situação única no mundo. Neste “laboratório do futuro” são desenvolvidos muitos novos projetos e programas em cooperação com a escola, que geram um impacto não só na vizinhança como em toda a cidade de Bremen. A orquestra e a escola receberam o “Prêmio Zukunfts (Prêmio Futuro) 2007” de Melhor Inovação Social. A Filarmônica de Câmara de Bremen é, desde 2005, a orquestra residente do Beethovenfest de Bonn.
 
Programa: Haydn, Mendelssohn, Schönberg e Schumann
 
 
29 de setembro – Ensemble Orchestral de Paris e Coro Accentus
Laurence Equilbey, regente
 
 

 

 

Um dos maiores fenômenos da música clássica nos últimos anos, o Coro Accentus foi criado e dirigido pela maestrina Laurence Equilbey. O conjunto se apresenta a capella ou com orquestra. Grupo de grande destaque no cenário musical parisiense, o Ensemble Orchestral de Paris, criado em 1978, é hoje considerada a principal orquestra de câmara francesa. Entre seus parceiros mais constantes está o Coro Accentus, residente da Ópera de Rouen. O Coro Accentus realiza cerca de 60 concertos anuais, entre eles premières de obras corais contemporâneas. Sua discografia de mais de 20 títulos já foi alvo de vários prêmios da crítica, assim como de uma indicação ao Grammy Award em 2006. Atuando desde 2009 sob a batuta de Joseph Swensen, seu regente convidado principal e conselheiro artístico, o Ensemble Orchestral de Paris costuma associar-se a músicos do mais alto gabarito em suas temporadas anuais no Thêátre des Champs- Élysées e em turnês por Europa, Japão e América do Sul.

Programa: Berlioz e Fauré
 
 
24 de outubro – Orquestra Sinfônica de São Petersburgo
Vladimir Lande, regente / Maxim Mogilevsky, piano

 

 

 

Considerado um dos principais grupos sinfônicos da Rússia, a tradicional Orquestra Sinfônica de São Petersburgo foi fundada em 1931 e divide com a Filarmônica da cidade o prestígio musical da cidade. A Orquestra Sinfônica de São Petersburgo notabilizou-se durante a II Grande Guerra, quando seus músicos animavam a população da cidade, então sitiada e sob constante bombardeio nazista. Depois de um período em que teve à frente o grande Yuri Temirkanov, a orquestra foi entregue à competência e alta musicalidade do maestro Vladimir Lande.
 
Programa: Bernstein, Prokofiev e Mussorgsky
 
 
Serviço – Série Dell’Arte 2011 – Assinatura
 
Vendas: Disque Dell`Arte: (21) 3235-8545 / 2568-8742
 
Preço:
 
Frisa/Camarote — R$ 8.640,00
Plateia — R$ 1.440,00
Balcão Nobre — R$ 1.440,00
Balcão Superior — R$ 820,00
Galeria — R$ 420,00
1) Lugar reservado para toda temporada
2) Prioridade na compra de ingressos para outros espetáculos Dell´Arte
3) Revista programa concertos
4) Convite Vin d’honnour no encerramento Série
5) Mala direta programação Dell´Arte 2011
6) Serviço de manobrista
Formas de pagamento da assinatura: 3x no cheque e 2X no cartão de crédito

Comentários